Curriculum escolar baseado em video jogos

Era mais ou menos assim o título do artigo de Jeremy Hsu do mês de Setembro (original em inglês: Harvard Kennedy School). Segundo o autor, os jogos ’sempre tiveram um papel muito importante na escola. No entanto, é agora quando vai introduzir-se pela primeira vez no curriculum escolar dos Estados Unidos a aprendizagem inspirada nos jogos‘. Um dos objetivos de usar os video jogos segundo a Q2L  seria que @s estudantes assumiram o rol de exploradores, matemáticos, historiadores, escritores, biólogos… através desses jogos como experiência piloto com o slogan “school for Digital Kids”.

@s estudantes del Q2L usam  s ovideo jogos como SPORE para entenderem conceitos relacionados con a Biologia (Little Big Planet ) ou aprendem ferramentas como Maya3D o Adobe Flash para criar os seus próprios jogos. A escola tem como impulsora a associação sem fins lucrativos Institute of Play, apoiada pela prestigiosa escola de design Parson e o sponsor da Gates Foundation, Intel,  e a MacArthur Foundation (responsável pela la plataforma de aprendizagem digital Gamestart Mechanic).

3 de Diciembre de 2009 o US Department of Education “The Education Innovation” dizia assim:

Como educadores temos que começar  a aceitar os video jogos para ensinar. Uma nova geração de video jogos está adaptada às necessidades das aulas e  a temas concretos como a ciência, as matemáticas e a história.  Ajudar os jogos a deslocar-se do campo extracurricular até ao educativo será possível apenas com a combinação de esforços académicos, de fundações privadas e de iniciativas emprendedoras como Q2L (Quest to Learn), uma escola pública de Nova York que usa um sistema de aprendizagem baseado nos video jogos. Com “Gamestar Mechanic”, desenvolvido com o apoio da MacArthur Foundation, os estudantes da Q2L “usam conceitos da física para imaginar como 2 jogadores poderiam chegar ao mismo local e ao mesmo tempo”.

Na Europa estamos ainda a anos luz só de imaginar que ‘3 jogadores (a academia, as fundações privadas e as iniciativas emprendedoras) possam chegar no mesmo lugar e ao mesmo tempo,’ ou seja, a incluir elementos da aprendizagem digital (com os video jogos em primero lugar) para uma geração que JÁ é digital.

Felizmente,  há iniciativas esporádicas que poderiam funcionar como protótipos necessários para termos uma ideia da viabilidade e como sistema de prova-erro sem influências curriculares sérias. No entanto, o nível de documentação ainda está longe de ser o suficiente para extrair verdadeiros benefícios e conclusões pedagógicas.

 Um exemplo de programa educativo bem sucedido é Scratch (programa para crianças do prestigioso MIT) celebrado no Citilab de Cornellá. O Scratch é uma ferramienta 10, com um foro para educadores em vários idiomas.

Tradução do artigo de Flavio Escribano.

Texto original em espanhol

Exemplo em português: Os números (aplicação Scratch)

3 Respostas

  1. Artigo muito interessante!

    No entanto, parece que agora todos (jovens e não só) apenas jogam a coisas como o FarmVille.

  2. Parabéns pelo bolg!! Sou brasileira e professora de espanhol no Brasil. Fiquei feliz de saber que também se interessam pelo português.

    Um abraço

    Marilete

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: