O português, segunda língua na Andalucía?

O que dizem os políticos:

Griñán se entrevista en Lisboa con Cavaco Silva

El portugués se enseñará en los centros de Secundaria de Andalucía como segunda lengua extranjera optativa. Lo ha anunciado hoy el presidente de la Junta de Andalucía, José Antonio Griñán, tras entrevistarse en Lisboa con el presidente de la República de Portugal, Aníbal Cavaco Silva, durante algo menos de media hora. La lengua portuguesa se enseña ahora en una media docena de centros de Huelva, provincia fronteriza con Portugal.

Según Griñán, para el desarrollo de este proyecto en todos los centros de Andalucía, se necesitarían entre cuatro y cinco años, porque “ahora no tenemos profesorado para poder hacerlo”. Griñán destacó que el castellano y el portugués son las dos lenguas más habladas del mundo occidental después del inglés y consideró el aprendizaje de la lengua portuguesa como una oportunidad económica.

Griñán también abordó con Cavaco la actual situación de crisis financiera y aseguró que el presidente de la República coincidió con él en que se están produciendo “interferencias muy serias” de los mercados.

El Pais

Fica muito bonito, um anúncio que os políticos gostam de fazer: mostram a casa antes de construi-la. Juntam-se vários, almoçam e bebem, ficam contentes e explodem. Enchem a boca com anúncios destes.  Como vão fazer? Onde estão os professores? Dizem que serão necessários 4ou 5 anos! Para mudar o curriculum da formação inicial dos professores é necessário mais tempo. E mais ainda para mudar a mentalidade das pessoas (famílias, e mesmo professores nos centros), que não vêm necessário o português. Português para que? -pensa-se.  Se nem se aprende o inglês bem na escola…

Na Extremadura espanhola há muito tempo que os políticos estão a dizer o mesmo, mas a realidade é bastante diferente, o português continua a ser uma língua minoritária.  Porque será que não acredito muito nos anúncios deste tipo? Sinto muito nesta ocasião ter que dar a razão ao PP.

Más seriedad, hombre.

Curriculum escolar baseado em video jogos

Era mais ou menos assim o título do artigo de Jeremy Hsu do mês de Setembro (original em inglês: Harvard Kennedy School). Segundo o autor, os jogos ’sempre tiveram um papel muito importante na escola. No entanto, é agora quando vai introduzir-se pela primeira vez no curriculum escolar dos Estados Unidos a aprendizagem inspirada nos jogos‘. Um dos objetivos de usar os video jogos segundo a Q2L  seria que @s estudantes assumiram o rol de exploradores, matemáticos, historiadores, escritores, biólogos… através desses jogos como experiência piloto com o slogan “school for Digital Kids”.

@s estudantes del Q2L usam  s ovideo jogos como SPORE para entenderem conceitos relacionados con a Biologia (Little Big Planet ) ou aprendem ferramentas como Maya3D o Adobe Flash para criar os seus próprios jogos. A escola tem como impulsora a associação sem fins lucrativos Institute of Play, apoiada pela prestigiosa escola de design Parson e o sponsor da Gates Foundation, Intel,  e a MacArthur Foundation (responsável pela la plataforma de aprendizagem digital Gamestart Mechanic).

3 de Diciembre de 2009 o US Department of Education “The Education Innovation” dizia assim:

Como educadores temos que começar  a aceitar os video jogos para ensinar. Uma nova geração de video jogos está adaptada às necessidades das aulas e  a temas concretos como a ciência, as matemáticas e a história.  Ajudar os jogos a deslocar-se do campo extracurricular até ao educativo será possível apenas com a combinação de esforços académicos, de fundações privadas e de iniciativas emprendedoras como Q2L (Quest to Learn), uma escola pública de Nova York que usa um sistema de aprendizagem baseado nos video jogos. Com “Gamestar Mechanic”, desenvolvido com o apoio da MacArthur Foundation, os estudantes da Q2L “usam conceitos da física para imaginar como 2 jogadores poderiam chegar ao mismo local e ao mesmo tempo”.

Na Europa estamos ainda a anos luz só de imaginar que ‘3 jogadores (a academia, as fundações privadas e as iniciativas emprendedoras) possam chegar no mesmo lugar e ao mesmo tempo,’ ou seja, a incluir elementos da aprendizagem digital (com os video jogos em primero lugar) para uma geração que JÁ é digital.

Felizmente,  há iniciativas esporádicas que poderiam funcionar como protótipos necessários para termos uma ideia da viabilidade e como sistema de prova-erro sem influências curriculares sérias. No entanto, o nível de documentação ainda está longe de ser o suficiente para extrair verdadeiros benefícios e conclusões pedagógicas.

 Um exemplo de programa educativo bem sucedido é Scratch (programa para crianças do prestigioso MIT) celebrado no Citilab de Cornellá. O Scratch é uma ferramienta 10, com um foro para educadores em vários idiomas.

Tradução do artigo de Flavio Escribano.

Texto original em espanhol

Exemplo em português: Os números (aplicação Scratch)

Língua portuguesa e cultura do Brasil

O site Mais Educação tem um canal no Youtube com vídeos sobre questões linguísticas e culturais brasileiras que podem ser exploradas didacticamente pelos professores ou servir para aprofondar nos conhecimentos do português do Brasil dos interessados na língua portuguesa.

Viagens literarias

O objectivo desta página é reunir uma série de recursos pensados para as aulas de Língua Portuguesa do Ensino Básico e Secundário motivados pelo Google Earth e pelo site Google Lit Trips.

Preparar o carnaval na escola

SITES

  • No site do Educom fizeram um excelente trabalho de recolha de informação com actividades para as crianças fazerem.
  • Também o site da Junior remodelou a sua página dedicada ao Carnaval, com intuito didáctico. Informaçao sobre o Carnaval em Portugal, no Brasil e noutros locais.
  • O Menino Maluquinho conta a história do Carnaval.

MÚSICA

 APRESENTAÇÕES

FANTASÍAS

LÁMINAS PARA IMPRIMIR E COLORIR

OUTROS MATERIAIS

Maquiagem

Decoracão

De Cuaderno Intercultural

Feliz 2010

Intercâmbios Portugal-Espanha

O Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida “destina-se a promover essencialmente os intercâmbios e a cooperação, assim como a mobilidade entre sistemas de ensino e formação, a nível europeu”.

É uma opção para de fomentar os intercâmbios entre Portugal e Espanha. Por exemplo, o Comenius permite os leitorados (assistentes de línguas). Futuros professores de espanhol podem ser ajudantes de português em centros espanhóis onde se estude português e viceversa (ver a lista de centros em Português na Extremadura). Os programas solicitam-se nas agências nacionais de cada pais.